terça-feira, 31 de maio de 2011

Segue O Homem

Segue O Homem...


Assim...
Numa nova hipótese!
Para arrumar um qualquer...
A indústria aplica no seu produto,
Injetando no ar...
__ " O custo natural em largos escombros gaseificados estremece o populismo."

Por um modo avançado e tecnológico a facilidade chega ao comercio.
Os produtos multi-utilitários, funções conjugadas...
Programações conforme o consumidor.
__" E o satélite natural resplandece as noites acaloradas no dia de muitos graus..."

Os ar condicionados pinga água na calçada...
Os passos sujos transformam em lama...
Segue o homem...
Manchando as ruas, deixando pegadas,
Segue o homem...
Sem ter anseio do futuro... Quem sabe o que lhe espera?

__ " Os casos de pele já surtam, mas de regata o aquecimento ameniza. "

É verdade... O fim está próximo.
__ " Mas se chegar até os 60 para mim esta bom. "

Ele nem se importa!
Faz plataformas, usina atômica, traz gás da Bolívia e não se cansa...
Procura um novo recurso, o minério, nosso amargo Vale do Rio Doce...
__ " Mais pra frente o dinheiro será embriões... "

O dom da vida...
A realidade de injustiças e subornos,
O poder das empresas e goveno,
Segue o homem...
Sem ter vergonha, plantando a iniquidade,
Judiando da pobre Terra, agora próximo de esgotar as riquezas...
Segue o homem...
Falando na minha orelha...
__ " Quero um futuro p'ros meus filhos... "

Segue o homem...


Humberto Fonseca

sábado, 28 de maio de 2011

Las Montañas del Hombre Adormecido

Las Montañas del Hombre Adormecido 
________Tradução por: Eleonora Gimenez_____________


Salve!

 Vou postar hoje aqui um pedacinho do meu livro "As Montanhas Do Homem Adormecido" do qual foi iniciado em novembro do ano passado, e que já está mais que encorpado para começar a editoração.

 Minha grande ex-compañera de vivências, caos e amor, Eleonora Gimenez, que vive na Argentina, Buenos Aires, música, guitarreira total com sua banda Ingravida, de som espesso, pesado, in'naire, que vai do classic rock ao brutal massacre, é uma dos personagens deste livro, e está me ajudando em seu processo de tradução para español, (me ajudando não ela é a tradutora da obra que vai se estender como uma trilogia).

  Fiquei muito contente com este trecho que me chegou, e me fascinou escutar a rímática, a narrativa, os tons que outra lingua nos tras a tona as outras armadilhas e silhuetas que se entrevam na escrita. No momento da leitura pra mim era como se tivesse algo simples que alguns carrega sem desespero nem dor, que é (a fala). e me fez até lembrar de um trecho do livro quando escutei pela primeira vez outro idioma mais próximo de mim.

Muito obrigado "Ele". Não tenho palavras.
(uno abrazo y um beso)

Bom sábado a tados!
Faz sol nas catarinas.

Boa Leirura.


"Aqui entre os vales do mar a ribanceira toca meus pés. e não me contento diante da felicidade natural. porque é um imáginário tão pequeno para gravar uma cor que seja, a imagem de um mato, um escuso e sinistro silêncio, eu componho sobressaido das ondas, acordando o adormecido..."_______________________________________


Las Montañas del Hombre Adormecido


No, no quiero llevarte a un sueño. O contar mi historia, mis casos de rimáticas inaceptables, es la pronunciación de una imagen olvidada a los modos sociales y aptitudes ociéticas que proporcionaran intercalar lo que es ser memoria de escritor y de arte independiente brasilera, esas irrompibles camadas y tejidos de una pequeña red de conductores y comunicadores que no se recogen en un sueño para crear una historia, esos pasajes son un ofrecimiento del ser humano, que se joda la creación dentro de todo lo que es la humanidad en el mundo, que sería el mundo sin ella o que sería de este mundo vago que te hace levantar y buscar una “levitación inestable”, una medida de carácter, una medida de pensamientos condicionada a un solo ser , sin observar la mudanza de este pueblo rebelde y cruel, impertinente, irrazonable “tan humilde como cobarde”, somos canallas sin imperfección, por la obligación de seres mayores, discriminantes de sus estados, países, “demasiados improductivos a cualquier violación al sistema celeste y clandestino, ofrecido ante nosotros..

Tengo pasado la filosofía rápidamente en rodajas, dividiéndola con mancebos.
Cargo la frialdad que espera para extraer la hoja, somos ahora la velocidad propagada arreglada sin rumbo.
“Son rifles mirados por los gatos ligeros encima de la pared”

Cambiamos todo al dejar la gloria plantar su raíz. Alguien precisa respirar ese monóxido, pueril satisfactorio de fatiga, que espera sofocar lo natural con ambición. Ya estamos hundidos, vivimos para tocar el piano para las catástrofes.
Sostengo afilar mis plumas por debajo de sus uñas. Pueblo infestado, generación multi-instrumentista por los brotes hechos insignias.

La crisis de ideas ha sido una inversión muy alta para los ricos. Es la potencialidad de una cultura magnetizada.

Eso es lo materialista del sensacionalismo, la noticia de que todos nosotros tenemos que matar un león por día, una mariposa, sea cual sea el animal, hasta mismo un artista.

Aquí el poeta es su apariencia castigadora, con noches en comodidad por las esquinas que ni la muerte pasa.

“A cada día mi carácter se recupera, voy arrojando la injuria afuera”

Ojos que no temen…
Sienten el bajar;
Pero sin demagogia se envuelven!
Yo me siento habituado,
Calmo, siempre calmo,
Antes de la lluvia saco el paraguas
El callejón moja la vida.

Paso por paso
Trastornos callados.
En rumbos distraídos...
Voy despacio
Con una goma de verbo
Harina de la misma bolsa
Restos en los ojos
“Se arrojan para ir con el viento”

Silenciosa voz de arquero, al borde de la cabina, esperando el blanco cierto. La visión sin misericordia de votos violables, correspondencias que rompo en las pescadas de noches mal dormidas, es el descanso del tornado para un nuevo viento al amanecer sobre mares altos y bajos.

La oscuridad obstante
Caerá por la espada,
Todavía en proezas,
Ese mi baluarte…

Arte que conmueve, insulta, hace herirse
Permitirá todas las adulaciones
Siendo en los santuarios violadores…

Mi casa,
Adonde tendré el desprecio eterno.
Y dentro del sepulcro exulte hablar de mí
Vos tendrás mi benevolencia,
Fuera del firmamento,
Sin gemidos, todos gentiles
Con el furor de mi espada
En la paz de mi escudo.


I Las Montañas del Hombre Adormecido

Cuerpos en el agua, desguarnecidos, embarrados de sangre en este río de miedo que el amor siquiera atraviesa. Voy en su dimensión a los montes verdes de vientos fieles sintiendo el frío migrante ocultándose de las piedras.
Mi corazón jugaba como si tuviese la “tarjeta fascista” creyendo que podría hacer todo…
_Cosas extrañas últimamente están pasando, (mi conciencia volvió), Dios sabe de dónde después de dos años y medio. Estoy encendido como un carnaval para que los chorros y bandidos vean después de quererme muerto y enterrado atrás de la iglesia…
Los demonios se espantaron de mi alma incrédula. Rezarán ellos por mí todos los días y saben que Mussolini me enoja, tomaron en cuenta que no soy fascista! Váyanse los demonios que me cercan. Odio las potencias mundiales, en mis sueños ellos aparecen cuando escupo y doy muchas cachetadas en la cara de Fuhrer, ellos ahora saben que mi camisa negra no es luto, sirve apenas para esconder la mugre.

Fue así que conocí a Renata, a los verdugos más perturbados del declive del hombre.
Ella dice;
_Hable conmigo!, entiendo su lengua
En aquel momento mi lengua se disipó. Se derritió hecha chocolate, me sentí un bebé, hice una cantidad de poemas lascivos a los que titulé, “Dulce en la boca”. Corrieron de mi mente para la suya. Siguiéndola decidí encontrar una políglota coartada.
En mi venían los rayos de la serpiente de los cielos sobre luces estridentes de un silencio que sólo las hojas hablan, Sí lector! Mi silencio habla con ellas y las hijas. Soy bueno al descubrir que ninguna mujer precisa de mi materia, (a no ser…),
Me sienta en cualquier… Deje que…
Enteramente…cuando menos lo percibas, estaré…

Ella era muy buena, es. Y me puede acariciar cuando quiera. Me sentía en una leyenda muy antigua.
“De un pastor que se enamoró de una joven que no lo amaba. Un día él se recostó en una montaña para protegerla del viento y de la lluvia”, tomó su cuerpo en forma de la tierra, convive allá hasta hoy por nosotros y por aquellos que allí habitan, la leyenda dice que un día él despertará…”


II De un lugar que todavía existe

El sol se asomaba en mi alba ventana, los rayos silbaban en mi rostro, la ciudad estaba “podrida”, resecada en un concreto enmarcado de las manos. Para mí sería la Toscana. Tosca Moóca, con su recorte nupcial de casar mendigos de alambrados y viaductos; que por señal todos los jueves ellos encendían el televisor para mirar un programa que tenía una sambita de entrada haciendo la más dura compilación de vida urbana brotando de mis visiones futuras en esos tiempos contemporáneos:
“esa familia es muy unida”…

Sólo faltará pochoclos, pero tenía siempre el loco del tablero en el cine de grotescos humanos, con su linterna vendiendo piedras, drogas… El señor Alcántara Machado era un escritor de medio-pelo, mediocre, de frases e ideas pobres, sin sentido alguno corriendo el Brás, Bexiga y Barra Funda.

Aquí estoy yo, como si fuese poco vivir en la Avenida del Poeta ahora tengo este perro oliendo mis cojones. Los escritores me persiguen. Los rellenos, abrigos y botones del universo me pedían para poner la lectura al día, la familia todavía dormía soñando, estaban al menos unidos en este mundo vago de reticencias… En esa mañana quería mantenerme informado sobre actuales y viejos enemigos, entre otros que ni se acostumbran a hacer o tirar los nombres de la poesía y literatura prohibida. Desdén identificarlos, cuando abrí mi libro cayéndose a pedazos... sé que no es apropiado perder tanto tiempo leyendo poesía, pero aquel día era lindo, la ciudad seca, vidriado dentro de mi, no saldría en sus alamedas tostadas con mis sentimientos húmedos.

Apuesto a que Dante nunca pasó u observó momentos como esos, al final eran sueños… Si Otelo tuviera la mitad de mi coraje para que no venga a matar la suya, la amada. Seres como esos a mi extremo ápice de violencia verían sin las manos como es dar nosotros en una mujer…

Dentro de esos pobres coitados correría el miedo de perseguir un ser humano desalmado, frío, como yo.
Banalidades y amor no sobreviven, se domestican! Las obras de este autor no sobreviven de munición y comida, mi guerra es otra, (oyó Shakespeare?), mi espíritu hoy descansa en el lastre de mi único enemigo: El destino.

Terrorista hoy, estudiantes campesinos, sería la “Grande mariposa”, capturando, dando problemas a esa biopsia de vida vulnerable, un ser que vive apenas una semana, sólo desea volar, (de ciudad en ciudad), deseando ser un criminoso que no puede vivir en esas montañas, aquí no hay eco, tampoco república, y les digo:

_Para cada soldado mío muerto, ejecuto diez civiles!

Mis hombres pueden matar inocentes, están hechos de relámpagos de sombrero y guitarra que no participan de la convención de Ginebra, mis “partidarios” son nacionalistas de uña y carne,
Terroristas que están protegidos por tal reunión…

Que mañana más loca. Y Edson gritando:

_Vamos amigo luche! Vamos amigo luche! Que la vida no paró… La vida no paró aquí…

Con mis hombres infiltrados, es hora de matar a los inocentes; porqué suministrar tropas oprimidas? Estamos con la inteligencia planeada, la inteligencia es un asunto delicado y prioritario del cual tenemos que alimentar todos los días, sin cuestionar órdenes de cualquiera que sea que quiere la mía…
Ven acá, Pascoli:

_”Ya no soy esa lámpara que brilla delante de la dulce María”.

_______=========________--------------__________========__________

Humberto Fonseca
Tradução Español: Eleonora Gimenez

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Viola Partida

Viola Partida

a vida,
me tem levado,
por onde,
eu não...

sei que o futuro,
não acontece,
nem se espera acontecer.

e vou deixando o mundo,
só vou levando a mim.

tudo que você...
eu não quero...
existir não...
desistir...

a história não se acaba aqui...
nossos punhos não se cerram mais.
o maestro, vira as costas, pra plateia.

atravessei pelas auroras,
espectros me viram,
tentei abrir os portões,
quebrar os candelabros,
da existência... sob a luz.

demônios soltos,
agora atacam toda minha geração...

a dor que chega,
não é tão forte,
quanto a minha resistência..
e que me venha infernos,
derroto seus grilhões,
meu céu é na terra...

Humberto Fonseca

quarta-feira, 25 de maio de 2011

VincebuZ "A Derrocada do Dezembesto" Final: "SPECTRAL"


VincebuZ "A Derrocada do Dezembesto" Final: "SPECTRAL"



EuCoR Reprime
Estudo Cinematográfico Utopista Onipresente Regionalista
apresenta:

VincebuZ "A Derrocada do Dezembesto IV" Final: "SPECTRAL"
Duração: 09: 53
Direção: Humberto Fonseca
Brasil, Santa Catarina

acesse o vídeo no Canal Periferias
www.videolog.tv/periferias




Roteiro:

Vídeo que termina a série "SPECTRAL" sobre a ban
Nesta última parte da série "A Derrocado do Dezembesto" sobre o abúm "SPECTRAL" da banda VincebuZ, que mostra um pouco desta (sonoridade plástica metal) e seus efeitos corporais. E toda superfície antes seja lá qual for o trabalho deve estar sempre limpa, e se milhões de anos transforma os ossos em petróleo, 'o rasqueteamento é um processo manual de raspagem para igualar as superfícies', e vos digo no mais claro e estúpido português; que de raquetadas entendo eu! __ Venceremos a linguagem com as passagens transitórias, assim me vieram as Brumas de Aires, a tenacidade que ocupa nesse instante um, "estado sonoro de massa científica", eu apenas narro... É o  meu melhor som. Já eclodiu o movimento deste "moto-contínuo"; suposta máquina que funcionaria sempre, sem despender energia "Spectral", ou transformando em trabalho toda energia recebida.
 
Partiremos em gases tóxicos,
Energia solar, energia natural,
Do sol e das águas...
A biomassa são fontes desenvolvidas em nosso país,
Petróleo não é renovável...
VincebuZ energia alternativa "a derrocada do dezembesto".

Humberto  Fonseca
___________________________________________________________

terça-feira, 24 de maio de 2011

Para Que Cinema Independente Afinal? __ só bomba!

Caro (a) realizador,
Nós recebemos seu vídeo aqui no Festival de Vídeo Tela Digital. Achamos muito bacana você ter enviado um vídeo para o concurso!
Porém, o seu vídeo “VicebuZ "A Derrocada do Dezembesto"” foi bloqueado pois parece conter imagens sobre as quais você não possui direitos.
Para utilizar uma fotografia ou uma imagem em movimento feita por outra pessoa, você deve ter uma autorização por escrito do titular dos direitos da imagem. Se não tiver essa autorização, você não pode utilizar a imagem. Por favor, troque a imagem em questão e envie o vídeo novamente. Infelizmente a lei obriga o Festival a não aceitar vídeos que contenham conteúdos não autorizados de outras pessoas ou artistas.
Se você já possui todos os direitos das imagens presentes em seu vídeo, escreva para teladigital@kinoforum.org.br informando isso.
Atualmente, existem diversos tipos de licenças que permitem a utilização gratuita de imagens. Esse é o caso de músicas licenciadas através do Creative Commons - Atribuição (by), que exige que você simplesmente cite quem fez a imagem.
Para saber mais sobre as licenças do Creative Commons, acesse http://www.creativecommons.org.br/
Para encontrar imagens com essa licença você pode acessar http://www.creativecommons.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=30&Itemid=51 ou procurá-las através principais sites de busca, como o google.com e o yahoo.com.
Para saber mais sobre direitos autorais sobre músicas no Brasil, acesse http://www2.uol.com.br/direitoautoral/. Para saber mais sobre direitos autorais, acesse http://pt.wikipedia.org/wiki/Direito_autoral.
Atenciosamente
Tela Digital
_________________________________________________________________


Tá aióóó... tão vendo? tão vendo quantas pilantragens. porra eu fiz o filme sozinho, ralei pra caralho, me fudi, filmei, editei, fiz fotografia, e por causa de um vídeo, do quel o cara num ta nem ai, já se fudeu e botou pra foder no mundo é que fui tesourado... só peguei um vídeo e dei uns recortes, mas a pilantragem segue. quem é mais dono? quem tem mis direito? tudo umas papeladas de merda. é foda velho.... puta que pariu, a ira em meu sangue já está pipocando pelas artérias... e se a pessoa pega a merda de um regulamento vê a sacanagem que eles armam. uma maracutaia do caralho! que merda de cinema independente. agora quero até falar de porra de cinema, vídeo independente... (e já me dá nos egos largar tudo) adeus videozinhos baratos, blogs de merda, literatura sofrida, me prender por este campos somente com minha viola no mormurejar dos silêncios.


Ninguem até hoje me reclamou desses direitos, quem é vocês? os donos? é terrivel toda essas normas que desvalorizam os espíritos, vai abrir uma merda de um link desse que você vai ver, os caras saber até quantos cabelos você tem no cú! vão se foder! tecnicos! panelas! bando de nojentos que se deixam tomar propriedade de tudo, não sei mesmo como vou lançar o Eucoloro então, não sei mesmo. é tudo pra enfraquecer a nossa produção. eles querem que nós atravessemos suas pontes e se ajoelhem ante-suas estátuas. malditos.



Lembro que ano passado, fiz uma parada que queria muito... meu brodi Loukas tava organazando o Espaço Curtas lá no CCJ, e o espaço curtas queria debater "O Cinema Independente no Brasil"...


__ você tem idéia de como saí desse lugar... não mesmo. op que vi foi um monte, uma corja, de assasinos, de militantes contra o cinema independente, a favor sim, de uns tais projetos, projeto pra isso, projeto pra aquilo, projeto até pra fazer projeto de outro projeto... e fiquei a olhar meu irmão MaicknucleaR lá da outra ponta, caladinho, ainda que estivessimos tretados, acho que é uma prova do que se passou ali, porque, ninguém foi ao meu favos, de fazer na raça, no peito, metendo a cara no pó pra ser autentico, porra, que merda é essa que tenho que me regulamentar pra produzir o independente? seria CINEMA SUBSIDIADO? não é? porque agir com recursos dizendo que é do independente... sem contar a merda, um merda, um poeta de bosta de tal Akins Kint, que tava todo de cú pra cima, me lamve, por causa de um videozinho de futebol de varzéa que ele deve ter feito no cercadinho da vila dele, porque se auilo Akins é o futebol de varzea de São Paulo, vc ta longe, (e me falava de pesquisa, de estudo) e o karalho a quatro, mas sequer explicou seu vídeo, como foi feito, ele não foi lá pra debater, foi porque era amigo do Cleyton Jõao (gente fina), e ainda falou assin óóóóó na cara de todo mundo: __ Eu só estou aqui por causa do Cleyton mew... era pra ese lugar está me pagando... Ôô caralho, faz isso naum velho, __ e o resto da galera que tá ali? e os outros trabalho? e cade aquela nossa amiguionha humildade, coletivismo, é poeta, você é um cagão! e escreve chulamente. (e foi essa hora que sai com sangue nos olhos), concerteza ia dar uma voadora nele, ia quebrar aquele telão, porque um poeta-merda queria R$ 50, cinquenta reais, cinquenta pilas, pra estar ali... (es morto de fome saco de bosta?) e sabem de onde sou gente? sabe de onde tinha saído com meu computador embaixo do braço pra ver esses encontros e participar do lançamento do meu vídeo, rodei 780 kilometros, com o maior orgulho, o Loukas disse que me daria o dinheiro das passagens, mas só um mês depois, apertei meu orçamento, segurei as fivelas, amarrei os cadarços e pensei (pow em São Paulo tenho vários amigos, posso me virar...) e sofri, e sofro, assim como o Maick com seus trampos. porra quanta individualidade besta, repulsiva, e inquietante em mim. mas como pode um cidadão desse, receber R$ 21.000.00 pra fazer um filme de várzea, com dinheiro publico,  o que chamo de CINEMA SUBSIDIADO com tudo pago com o nosso dinheiro e o merda fala essas asneiras... é malismo. puro malismo. ainda vou detonar esses malucos em algum de meus trabalhos. algum trampo meu vai denunciar toda essa merenda que vocês estão colocando em suas dispensas.


e quanto ao festival, obrigado pela atenção. valew mesmo. salve Kinofurum! fiquem ai com sua seletiva. bom festival fechado na sua telinha digital!!!!


segue abaixo vídeo quase selecionado:
(ta foda o ciclo de noticias ruim viu) faz uma reza ai povo. sem sal grosso e macumbarias.

sábado, 21 de maio de 2011

sábado, 21 de maio de 2011

Para que literatura afinal?


Em 20 de maio de 2011 21:07, @editoraregencia.com.br> escreveu:
Boa noite Humberto!

Por meio desta, informamos-lhe a aprovação de seu texto: Palavras Tântricas.
Solicitamos, por gentileza, que em resposta a esta mensagem, fosse urgentemente confirmada a sua intenção de participar do livro Âmago, declarando a aceitação de todos os itens do regulamento, principalmente que está ciente de que a publicação ocorrerá em sistema de cooperativa entre os autores, onde cada autor deverá adquirir 10 livros por texto aprovado, de até 30 linhas com espaços(linhas de separação). Por ter ultrapassado em muito a dimensão especificada no regulamento, sua cota para a participação ficará em R$ 1200,00 (mil e duzentos reais = aquisição de 60 livros(6x o tamanho da cota)), a ser paga até 30 dias após o lançamento, que deverá ocorrer entre julho e agosto.
Um contrato será celebrado entre autor e editora, e tão logo recebamos sua resposta, o enviaremos para que possamos darmos andamento na obra o quanto antes.
Caso tenha havido alguma alteração nos itens abaixo, por gentileza atualiza-los para a confecção do contrato:
  • Nome completo;
  • Endereço completo (com CEP);
  • Telefone;
  • CPF;
  • RG;
  • Minibiografia com, no máximo, 5 linhas (instruções no regulamento www.editoraregencia.com.br )

Parabéns!

Atenciosamente

Sergio Prado

__ PARABÉNS? É foda. terrível as mensagens que me chegam. (não quero culpar os editores, as editoras, os produtores, as produtoras), mas porque o capitalismno domina tão fortemente para que não se consiga produzir... (estou falando de apoio mesmo), as vezes até mesmo o moral... porque é tão difícil cair nas ruas com seu material. seja na impressão. na melhor imagem. no buscar qualidade. porque isso é tão difícil no independente. cadê a baixa voz do vil, sequer ecôa por estas ruínas. entre as notícias ruins e boas é que estão todos produzindo, mas para onde esses materias. pra quem, pra quê afinal? que merda simbolista é essa que deseja agarrar em minhas solas. queria eu ter pra fazer do meu bolso. mas vocês como editora deveriam ter vergonha.

Já me sinto contratado por uma empresa. contratado pra pagar por ela. contratado pra pagar pela minha arte. "e quantas outras artes por ai não estão sendo produzidas pelos outros?". como é fácil produzir assim. com alguém que costomize suas forças e ideais pelo poder do capitalismo, "queres tu que seja sevalgem", pois capitalista já o sou. e pra lançar um livro com 1 200 reais acho que consigo produzir sessenta dignos exemplares, obrigado e perdoai-vos, pois minha capacidade, meu espírito, e esta literatura, é como dinheiro, não se come.

Seria fácil comprar as idéias dos outros e pedir que ele pague. é um voto de confiança. o preço do artista pela arte. "Uma das coisas mais silenciosas que se sabe no país até hoje é o preço que a arte modernista de vanguarda custou ao seu público", Mário de Andrade que os diga pela estrada de minas... mas a questão é que o autor independente não tem força e aquisição, não tem meios, recursos, contatos, e acaba no muro dos silenciados, só olhando quando as cores vão cessasr para que ele veja alguma delas, tem fundo negro na margem de cada silhueta, assim como uma esfera, vocês apenas giram. 

Mas nem por isso vai parar o processo da trilogia de: "As Montanhas do Homem Adormecido" é obra que venho compondo, que vou cagar logo menos, segue abaixo o texto selecionado pra vocês de graça, sem picuínhas...


inédito. do livro: "Entre Os Vales Do Mar"
Palavras Tântricas

"Vou tingir de sangue essa maravilhosa gente óbliqua".

Ó deus dos deuses. tome-me em seus braços para que não haja mais desgraças. a tragêdia evocada assucedeu-se, e martirizo agora minha alma nos gelos da eternidade por ser criado após tua imagem e semelhança... que traços tenho eu, que corpo é o meu? que alma me pertence, encontra-se em qual alameda... minhas ternuras estão toda em romotidão, no fundo, do fundo, do fundo, de'minh'alma. meu corpo reprova esta ação da alma. meu corpo reprova e quer desvairar-se pela mente. "logo quem sempre teve mente liberta retê-la é um crime maior do que o que está sendo pelo subconsciente repreendido..." (não cometer é sofrer), maldade veloz corre dentro de um coração que vos digo também ser maldoso, daqueles prontos para morrer e matar na ponta da espada, (os melhores corações são os perfurados), já não batem , dão trabalho, amam... que só bate enquanto tem vida, e sua vida é bater... desistência me reprova. desistir me aficciona ao locurismo, me solta nas raias para que nade do amanhecer ao amanhecer, "não há cadeias nos mares", supostas ilhas e correntes sim, é preço da liberdade pela solidão de viver em paz e sem luz de energia életricas que quando saem de corpos alheios é para te descarregar... o mundo te suga. e as pessoas te matam. mas todos estão unidos há um bem só. sobre'sofrer vivendo de sobrevivência ou riquezas volumusas, (umas soam ricas as vezes só na mente) mas sempre no conjunto do corpo e alma, independente dos valores que se criaram entre as mesmas raças. nenhuma paga a outra o que vale. e ninguem na realidade, que cheire o que feda, não é melhor que ninguém, *"os olhos, por enquanto, são as portas do engano; duvide deles, do seu, não de mim", eu me ajuntei, e assim como os animais não passo meu tempo olhando espelhos, caricatura mental só, fusão de conhecimento, "é preciso um pouco de lerdidão pra se ver a velocidade"...

Palavras as vezes nos assola de cadeias. prende-nos. imagina-se além delas suas realizações. o que é este jogo desencontrado procurando o fim de um limite... se é que pode um dia ter limite sobre as palavras escritas, ferre-se o limite! tudo pode ser descrito, mas experimentado nem sempre; é preciso ter "voiz da'imaginação" para se ter o presente, em meu desfazer se encontra esse viver-experimentado; falar no passado o que o presente nega é dar-lhe ao futuro toda sua forma e pilares, e sem sustentação me evoco a falar, dizer, e repitir poetazinhos de merda; "não precisamos descrever os olhares humanos" mas as reflexões são disparos que tem de serem miradas e dadas nos olhos e coração, é onde talvez se encontre os príncipios mais vacilantes deste tal humano, (até porque as mentes de hoje são mesmo de camarões, de merdas!) "tiro certeiro como bala que já cheira à sangue", o jogo oriental delas e das palavras é só pra compor a orgia... aos adiantes verso diferente a cada vítima.
O enganado jogo mental enlouquece. saiba mais bem sobre disso do que dos loucos. "é imprescindível admirar as vidas, as perípecias, a tosquera, o sublime,  a erudição, "os maiores do qual se dizem serem os grandes" e os menores que se sentem mais pequenos, sem ver o que é impermeável e está minando em sua estrutura me enlouuuquece!!!! porquê a vastidão pode ser curta, e estar mais próxima de sua loucura do que você. tudo é terrestremente sentido (por estes pés) quando não encaramos esses espelhos... mas ainda assim há de ver aqueles que se miram a ver-se diante deles, e se acharem parecidos, ou diferentes demais, (até me conecto com esses que parecem) e porquê existe uns que não se parecem com os demais? e a pirofagia de não ser ne ele mesmo? que não se olha no espelho... seria por estar mais pronto? __ faz-me olhar no espelho? ou por saber nitidamente como é... seus olhos vê mais que a semelhança de outros? diferente de tudo? no pensar. no agir. no mover. __ que desgraça é essa que se fez entre a gente... entre outros nada são. a ninguém pertence. desterro? trevas? sapiência de mortalidade obstante...  (e tudo são a si mesmo). valoridade individual nesse aspecto me confundi as estribeiras que estou tentando ferroar, entreabir, bisbilhotar e comer seu néctar... "meu bem tire tudo... tudinho... e se veja por meus olhos", será a mais bela e comovente visão que teras de ti, (te perderas em minhas peneiras filosóficas, que dispensa toda massa para ter alguns grãos valiosos), venha a este minerador dos escuros, vou marcar entre-lábios cada diamante sujo que tenho guardado sobre estes destinos de que bem sabemos não mais juntar amor e dor, nem que dessa vez preferir-mos ser amante, amor de vento em polpa, que bate nas velas e se apaga com o vento, distanciando-se das proximidades calorosas, aos árticos de nossos tropícos eu te desfiarei, serás uma manga madura pedindo para ser descascada'escaca'cascada, soltando leite pelas entranhas, amarguradamente rosa e amarela de fome se abrigando no gozo que te vence nas mais imprecisas horas de vidas que desconhece a ti, mas no caminhoso de espartame de um lobo apaixonado; só te sacrifíquei por mim. e o bem como a perfeição, não temo mesmo "que as pedras sempre se batem"... como ser que se preste, treino indefinidamente a domar essas onças dismitificadas, em posseção do universo, centradas nas trevas'de'terras'mar, onde o objeto mais usado é aquele que a manuseia.

Senhor, meu pai; __ porquê tantos filhos? porquê tantos irmãos? e porque "mãe só tem uma?" aí senhor, não tende piedade não. faz ruminar sobre essas fontes de rumores o galardão da improbabilidade... assim continua crescendo as atividades científicas. pela improbalbilidade e existência de Deus. bem'dizer a ciência só existe apartir de Deus. dessas criações misteriosas e sobrenaturais  o que tinhamos de exemplo antes era tudo conto de troía, bacanal misterios, bacanal de nascimento, bacanal do conhecimento, não verso à Bocage, só que "a putaria é a existência e o teor que engrandece a experiência de que somos do mundo", sacríficios e mortandades, cadenciação aos deuses mais imperfeitos, aos ritos mais incoparados, era muita coisa contra a vida, contra a super-polação, era para que tudo fosse de um só, ou que esse fosse aterrador de todos, ou que todos enfim julgasse esse, quem é o mentor desse conflito entre o homem e o universo? que lendária invasão é esta que não se aperfeiçôa, se usa, trai e consente... só ela para embelezar este caos e deturpação eminente, contemplemo-as... são muitas putarias, e se me escuso sinto que meus temores já são de outros. como é bom buscar novos medos. novas perdições. saber que os fins realmente tem um começo. desde que ele seja desde o fim o seu mesmo. mas é assim que se acaba com as paródias simplistas e composições uniformes, "alguma criação tem de render", e os primeiros da ninhada podem sim, morrer brevemente. por descuído ou desnatureza. ou... nem todas nascem para ser mãe. umas são puta por assim dizer de natureza. e dedicação apenas a isso é os seus ótimos dias. os dias púrpuros e naturais... dos quais de hoje em diante herdo a missão de ser filho.

Adeus missões. até guerra. chega pessoas; que de longe as posso ver. as posso sentir bem mais que suas presenças talvez... talvez. (sou mágico de mim) a energia é tão positiva ao negativo deste lado que não posso ambientar mais nenhuma áurea, "aqui não se tem risotos e crepes a provar", taças quebradas e poucos talheres, um só lugar, um cinzeiro que se cabe um cigarro, é hora de um ser o todo, porque este um quis ser todo para se ter em um; __ e não funcionou não! foi uma merda, um descontentamento, uma treta de uma pá de zóio que, fiquei só matéria, estou a plantar espíritos para ver quais mudas voltarei a ter como sombra...

Estou com vontade de escrever em poema. mas o texto é e deve ser mais apurado aguçadamemte que palavras jogadas com violência e 3 milhões de entendimentos em cada uma delas... sinta o sabor, masque, coma, coloque algo a derreter pelas enzimas... a fé que move montanhas é termodinâmica neste poema, será longa a viagem de antagonismos, separatismo, como é muy bonito quando amamos nos odiar, nessas métricas sem esfera as paródias, "quem é que não sofre por alguém?" sofrer por mim agora por mim agora é meu fim. que me venhas elas, e não mais ela. que vontade terrível de escrever um poema... saí de mim versos.

A sustentação dessas imitações do (real) mundo que inspira a nos ser jurados. essas glórias de fim de tarde ao começo de noite recíproco, palavras acentuadas ao desconforto... __ e num saí! num me deixa! ainda lembro daquele lazarento do Jones; __ mano... não para com a merda da arte que ela vem te pegar com uma faca... mais uma fase do plano; arte mata! ou seria uma desproposital luvada na cara, no rosto, face, sei lá mais quantos focinhos poderia ter para encobrir-me com essa tal arte. __ está mesmo empunhada de arma branca... (ando tão descarecido e impróprio a esses valores. quero que se foda ela e todos em seu rodeio. não estou a escrever arte...) vou fazer disfeita no que há de mim nessa treva'verbal. os espasmos golpeados agoram sombreiam além da-testa, porquê o climão está severo em todos os cantos, agora caminhar sem parar desconfiando sempre de quem vai dar o tiro nas costas? __ NUNCA! nunquinha'mês"! gosto de conhecer terrenos... (é melhor ser amigo deste vós inimigo). já não me importo com o que vocês são, até mais "fevistas de merda!" imagino-me numa guerra qualquer que não fosse essa... sabe quando está'se e axá'se pronto para morrer; a batalha deveria ser o melhor o voto. e não se afuguente porquê sou bem mais que capaz de trocar o bom filé por um ramo de batatas, suporte-se de tantos nãos, esse não é esse. (ao vencedor as batatas!), traduziremos em algum idioma essa emblemática ressurgênssia de utilidade, "é tão poroso o sabor do absinto que me esvaireço com os ares", como se fosse uma obrigatoriedade, "não abster-se e crer que tudo é mais que o outro", sem comparação as notoriedades, todo mundo focaliza uma "simboltudez emergente", será mesmo? que pânico é este que não o sinto? qual catastrofé hoje rolou e vai seguir rolando até os rochedos trincandos pelos pés, de altura se eu fosse nada seria. altímêtro me reluz um estado... que os anjos não suportariam na terra.

Humberto Fonseca

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Um dia, como se fosse outro, mas é esse.

Dia de muitas reverberações. de imaginação negra que se enfrenta empunhando lanternas. luz pequena. facho não mais que a distância dos olhos. assim é o ver. e a música hoje me sonou. é bom ter sua visita. o timbre. o toque e o som. a velocidade do som. a memoria que grava. o som, a velocidade, e o timbre, como se fosse a velocidade da luz. música para mim é estar fora do corpo. ser espírito. alma. outro ser. outro que não esteja entre nós. pois nem todos sentidos são corporais. nem todo corpo sente. uns o escutam, ouvem...

sintam apenas o aroma da poesia.
o som está guardado em cada um.

____________________________________________________________________

Meu Deus é Árabe


O grito surgiu,
Nas areias,
De Abraão...

Entre espadas,
As lágrimas,
No seu grito de paz.

O Silêncio,
As vozes deram as mãos,
A praga,
Esqueceram de Deus.

A beleza,
Bélica...
Bíblias,
Alcorões,
Pirâmides,
Palácios.

E almas,
Contra armas.
E deuses,
Contra deuses.
Crenças assassinadas...

Não sei quanto tempo,
Não sei quantos anos,
Não sei quantos séculos,
Dessa antiguidade.


Sob os véus,
Padecem,
As raparigas,
Desejam,
Escarne-iam...

____________________________________


eh noses e caramelos!

Humberto Fonseca
Tintura

se tu pintas a cara...
porquê serás... há..
Si tu me vem porque tardar...?
É o que há...si...há...
  {e como há...}
em meu pequeno ver,
tuas cores sombreiam,
as minhas nascentes expostas...

e como não me vê finjo que não a vejo.
pois já estamos de olho um no outro,
num faiz tempo naum!
é recente a coisa...

as chaves trincadas pelo verso,
quebra as trovas que busquei no inferno...
por que, para que, o que há além dos céus.

se não me vedes o quanto olho.
sustente-se em paredes quebradas,
esquinas partidas,
bem mais do que agora,
minhas meninas sempre foram das ruas.

que algum anúnicio se faça,
como o enigma que tenho descoberto,
eu já o descobri... e o que tu fazes?

é de um todo para ti,
ou já seria de nós?

"o silêncio me emociona e faz-se criador dos sonhos",
teus delírios ainda dormem,
na minha distância.

se te usam individida,
em sinopses,
serás meu roteiro.

vedes que lustro e não dou brilho?
vedes que limpo ao invés de passar pano?
vedes que além do certo falo e faço muito bem o errado?


o pecado é nossa folha de divertimento,
e se tu não sabes, porquê te escondes?
a moralidade, e a ética, enfim...
se acaba quando imaginamos, apenas isso, imagina-aÊ!

o amor.

Humberto Fonseca

terça-feira, 3 de maio de 2011

"Entre Os Vales do Mar"

Uns dias silenciosos cairam por este chão.

Segue abaixo o rusultado dele, experimento de um trabalho de composição poética ainda que é um método de encontro da rímatica-primitiva, (isso é pra mim), para vocês ficam um pouquinho do segundo livro que estou escrevendo da trilogia "As Montanhas Do Homem Adormecido", livro quase pronto, que só ta precisando de uma curadoria para lhe tirar uns maus e olhados. neste segundo prévio-volume segue alguns repetecos de "Entre Os Vales Do Mar" sendo este a segunda obra deste dialético romance obstante e construtivo de ações sul-irreais, (pois aqui no sul assim é o tempo, há 'ssim o me tem sido) do qual você pode conferir mais adiante... Entre Os Vales Do Mar de Humberto Fonseca é busca do desencontro carnal do homem com seu destino, é a desmaterialização natural da qual não se pode mais emergir, é a perca de consciência pela rotatividade, "a busca de em um momento concentrar sua energia", poeta de pulsos fortes e sem lobotomias que perjoram transporta entre as palavras a capacidade de sua poesia ao brilho sem estrelado, aos pés dos menestréis, sem ter medo de estar fora do pedestal, e busca  e continua em seu enredo algumas prosas e lembranças de "As Montanhas do Homem Adormecido". há terceiro livro chama-se "Cavaleiro Sem Luz", do qual já teve seu começo diagnosticado e alguns poemas prontos como ponto de partida para fechar esta futura trilogia...

"que a morte não me venhas e que os raios não me partam".

caro leitor, se um dia vieres aqui;
abrax, xeros, apertos...

ps: textos resumidos. erros de proposito. uso de linguagem e parafernalhas.
___________________________________________________________________________




I Rupestre;
gravado, traçado ou construído, que cresce e se desenvolve na rocha ou rochedo.

Arrepiou-se o sertão dos veraneios sorridentes, sorridor, sorridente, sorri a dor que não mais sorre por esses dentes... Sorre agora. Mas es o não es o que sempre fostes. A decisão na encruzilhada foi escrava nos passos por altos netunos, por novenas de júpiter, procissões avantajadas seguem com ou sem clamores com as vozes em andares de um solo espacial com ceguidão contínua... Não terás como contares mais a universalidade desses causos, é repetição, miragem, euforia contida se é que pode-se guardar tal energia... "das minhas lágrimas só tenho glórias. das minhas glórias só lembranças voltam", neste meu pedaço de vida inteira começo a entender, ver e sentir, " lágrimas que entregues ao solo erguem-se"... Se iludem com os novos sonhos... Não os pussuirá. Nem meus sonhos, nem meus pensamentos, não mais... Dessa vez não vão me fazer fugir das regras, dessa vontade de acordar cedo, desta vontade de abandonar a demência, sobre esse desejo sobejado de ver mais céus azuis que negros. Endoidarei os repuxos irônicos que me fazem serpentear as cobras, sobre este diário esquecido. Meus desafios estarão na ilha em alto e breve mar  dos  iludidos, com "a boa fama" jogada ao nada, ao ninguém viu ou pertence e saber um dia só depois de deus dará... nós disfazemos as contra-regras e os afavores, é o desejo que me faz sentir esse intorpeço agora, as recordações e abreviaturas nos raios de minha imaginação só tomaram nomeclaturas e cidades, bairros, ruas diferentes, a essência desta alma e o estado ainda é um só e esparrama seus odores por qualquer raio de vento que os cheiros sigam, pois sou com o tempo a melhor arma e o melhor de mim, preciso que meus sentidos se vão pelos vãos sem minha matéria, é o poder da mente que encontra o corpo.

Hoje o dia pardava sobre as estrelas, estrelas semi-mi-údas, daquelas que se escondem em ou-iteiros, o enevuado sombrio laxava os manjedouros que atinavam as sombras pelas encostas, as águas quase paradas, quase mortas, quase águas-vivas moviam-se em pequenas forças hidráulicas, o sol avançava sobre as tempestades formadas pelos bocados de pássaros, com suas asas, suas penas, entrecortando o sol ainda frio. Rovejar-rorejante gota-a-gota no rosicler, que só lembra o atinar da aurora e seu ruge-ruge, (ruído de saias que roçam o chão), minha morada entre os silencios, não é mais... entre os vales do mar que se emolduram no meu plainar torto, de homem tinto, curado nos ventos ardentes, no frio abandono...

_______________________________________________________________________________





II A Noite do Feitiço

céus que negro eram,
em olhos que se acendia pelas pálpebras,
nos corpos perdidos se encontrando.



É assim o que pode-se lembrar depois do ver aquele atravessar do portãozinho, encostado apenas, levemente entreaberto deixando seu vínculo com a rua. e se disfez dos amigos me perguntando:

__ Você me leva na casa dele depois?

Será possível? barba-cabelo-eee-bigode em um só fio de cabelo... oh Deus dê-me mais aromáticos instantes de orvalho supremo entre o desejo e o pecado que o corpo faz sem alma. A boa idéia de início é que ele não era o outro e se fosse estava disposto a não ser mais... tava embolada as coisa.

Tinha sido muito pra mim, perseguir uma mulher é foda, estar a rodear, frequentar o buteco dela, colar com os amigos chatos, tentar se encontrar "sem-querer-querendo", entre outras coisas que as vezes  deixamos enaltecer sobre as nossas mascaradas sem roupa... tudo isso por uma buce... tinha eu que ir iludidamente atrás de rabo-de-mocó? arrastei pra dentro em seguida, sem nem olhar para os lados...


__ Claro que levo. fiquem despreocupados. Boa noite mano!

__ Quando sentamos no sofá... no meu sofá dessa vez. aí sim! ... vi o silencio que queria agora mais brilhoso e verdadeiro.
__ Escucha! ? Preciso falar-te algo?
Sim. mas só depois de que...
 "e agora aqui nos meus braços desmanchada beija minha boca com a serenidade que imaginava, lábio mácio, cheiro frutífiro, jaboticaba, jambo, amora, saputí, graviola... aí sabores de uma árvore em terra umidecida que quero me enterrar. se perco na sua boca, no seu pequeno grande corpo contra o meu, fala que me viu subindo a Augusta e quase correu pra ir comigo no dia da atravessada, que tudo que ela queria naquele dia é que a levasse junto como um trabalhador feliz  que carrega todos os dias a sua marmita..." ainda comenta rindo sobre o acontecido do banheiro... que teve furia do pilantra que ali foi moscar na nossa primeira possível idéia. e enquanto ia falando desses outros possíveis encontros isso me dava um fogo ainda maior internamente, porquê estavamos na mesma perseguição, na mesma territorialidade errada para nosso encontro, 'somos um caminho de energia que se perdia no meio daquelas almas imundas', a nossa era apenas sujinha...


_________________________________________________________________________


III







III O Vázio da Noite e O Lírio dos Cânticos


Creio eu já está escuro daqui até a foz do Jordão. Deste lado o que mais se vê são...             Um    grau     impreciso    no       madrugar       que      oscila      embrumar        meus         ares. Todavia, avia-se, anda rápido e ligeiro como as carruagens que não se veem, mas que passa... algum dia sim... e mais um oco se fará presente, ao claro, aos olhos, aos veres e bem dizeres de quem não sabe o que diz e odéia quem... quem mesmo? à todos. o amor entre dois é muito visto, já o ódio entre todos não tem face. Máscara. Já não se oculta por estar defronte. Lamparinas aquecem os mártirios,  infinitos bórdeis sem segurança terão  o desprazer de ver... Sozinho saí e estando a queima-ropa, ao estampir'estampado minha pele amarantada dos cabocôs desta terra, sem compilação de afros e regras, esquinas debostadas que mais impera do que consulta a consiliação da solidão e mistura de quem tanto passa proxímo e não se encontra, (como na cidade), "novencentos-e-setenta-e-deiz nêgo" se debulhando, deschavando, "esmurrugando", caminhando como se nada além de si estivesse ao cotidiano, como se ele não fosse o cotidiano... a impermeabilização do solo mostra não só a capacidade de guardar os pés, "__ Do sinos do Brás bravam... não há caminho seguro", e atenção ou não prestemos olho a vida real porquê de luas lindas estou cheio. (realmente estou). De vistas e passos, eu ando sem clarear nas noites... "ninguém que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus", Jesus que vos diga irmão qual caminho vais seguir, pois o que sempre nos leva as perdições são os caminhos tortuosos e faceiros dessa longividade leviana que amparamos supultadamente de vida... noite ludibriosa de raios-névoa inconstante, paralocurismo...

?Oculta palavra? até pra mim... se não fossem esses momentos que criassem esses versos eles não sairiam. é tudo tão natural que nem sei como procurar ídilios. Merece estudo tudo aquilo que não foi aida revisado. É uma amplidão de verdade não mais se basear na tipologia que fora arbitraríada desde sempre. Desde o mesmo. Desde isso que estamos vivendo como merecimento mortal. Transfere as parasitas e não se muda a sujeira. Toda sala, todo canto, cada beirada, sobre ou acima dos lençois, não é mais sujeira e vastidão, caminho de ácaro, é cama vazia, a espera de sei lá quem... É bom não determinar as visitas nem as horas desmacadas. "Não mais em busca de amor e delicadeza, templidão, bom senso, determinação, desafios pela vida, pontos e marcos que se acabam como todas as histórias, o melhor romantismo se faz em qualquer motel, em todos os sentidos, quando se toma a carne para desligar os sentimentos elaboramos a cinética humana, cientistas normais que se transformam sem a tecnologia", apesar de cada dia ter mais adeptos ao reino Karmadigital, os donos do prazer sempre foram solitários, ainda acredito no amor e escutarei suas sinfonias, com todas as rosas que serão cobertas pelas pás de terra que ei de merecer em algum pedaço das energias circulares que estou em andavia sem entre-mãos, porquê meu bem... um dos melhores espetáculos da vida é ver aquilo que se deseja. e se tenho visto... aquilo de hora, que já era tão bom, será tão grande moças.

/agora tomemos a rumba/
\aguardentamos o corpo\
/bailamos e bailemos/
\... a bailar.\
meu ser, teu ser, entreseres.
entreceras carnais derretendo,
se revirando nos ardores do sangue,
abraçados aos matrimônios dos pecados.

Sisonético. Metâmínico. Poder parafraseado de tumor alvorecido em rompimento. Luz perplexa, sombra inodora e maldita sobre as Alices e vanguardeiras. "Destrua-se, desnua-se, não insuna-pose e mostra a cor da partitura", além de cor tem corpo'sem'vestes, pois estou lendo brevemente o futuro, e não suporto ver tais coisas sem ter acontecido que parecem que vão rolar, (o futuro é sufocante, contestador, ilúsorio jamais), e quem se traça com ele em algum abismo ponderou-se a definhar suas honrarias semi arabescas, matraíras-paus-e-picados... ... quero que curve-se para que enfim possa sublinhar sobre as tuas silhuetas, venha com as mãos e tudo que te está sem vestes eu colorir'por'dentro, eu alvineço todas elas, mas prometo não apagar os borrões. O que seria de nós sem a maldade imperpemplixibilizada? É ver para crer um dia ouvir e sentir.  "se fosse assim ó lírio dos cânticos estarias aqui?". porque o vázio da noite...

_______________________________________________________________________________

IVOs Rochedos Trincados Pelos Pés...

Este não pensar pensando poético é uma abidução das internidades. Meu neo-natal orgânico, tags e ilusões se condensando com a fórmula absinto-abstrato, é a pélicula do ismo-paralocurismo que tempesteia os vocês e eu ambivalentemente-à fora dos mistérios. não me dê nem motivos que já fui embora. Sem perguntas para quem me chupa até os dedos... O que seria da vida sem o líbido matinal... amanhece por aqui já. sente-se levemente o poder do fim do verão, (com toda força) vou incensando e orvalhado nos cercados, as casas de aranhas visualizadas por gotas-d'água, (na manhã me sinto com os poderes de Deus e os instintos do capeta) "este segundo sempre em nome menor, derrotado, ineficaz"... há manhã que ainda não esfriou, pois o sol pondera, e logo mais vasará sobre as nuvens as razões dessas águas, entre os vales vê-se rochas e os espartilhos soltos daquela que se dilacera no chorumingar miando a dizer; __ o filho do tempo passou a viver por aqui... Nem sabes quantos ventos me carregam doce inoscência perversa. O dia espanta os jazidos ofegantes; __ nem parece que passamos uma noite toda... Impulsa as supras renais a trabalharem, os cheiros se tornam mais predicados, "desço da copa para recuperar meu olfato, o ataque visual como plano de vida e de fundo tem embevecido qualquer natureza que estes olhos não vira", é uma negação da continuidade, a regressão atônita, um encouro descorberto pra se dizer a prescrição médica comparativa de doença que não tem cura. é uma dor no fundo do crânio, na linha da coluna, que aos poucos vai inchando seu cérebro, "é um nódulo de crescimento que não sabe-se como arrancá-lo",     uma      esfera      de      estresse      e     libertação       oculta      que      me     transfere     para      a     neo-línguistica      impressionista     dos     perdidos     e       valentes, como diria meus ancestrais; __ cousa dou'tro'mundo! "Noves fora margarida vai à fonte"? Beber da água que virou vinho, comer o que o diabo amassa, de pão ela mesmo já o é. massa de carne que exempargalha e mexe minhas coisas,     suletrando      labialmente     com        a... aperta que todo caldo tem proveito. "até do bagaço fazemos..." ouro ou pó?

__ posso vir buscar o meu depois?
 
A filha... ta embrulhando. quer aqui. agora. e ainda comer em casa. ambiciosa, safa... Da pra ver que só falta mudar de cor da pele, camaleões te curram? fogo dos infernos. ardância de paredes sem fim moça... meus jatos agora saí a conta'gotas. e nem parece, o raiar do dia raiou...




________________________________________________________________________________

V Palavras Tântricas

"Vou tingir de sangue essa maravilhosa gente óbliqua".

Ó deus dos deuses. tome-me em seus braços para que não haja mais desgraças. a tragêdia evocada assucedeu-se, e martirizo agora minha alma nos gelos da eternidade por ser criado após tua imagem e semelhança... que traços tenho eu, que corpo é o meu? que alma me pertence, encontra-se em qual alameda... minhas ternuras estão toda em romotidão, no fundo, do fundo, do fundo, de'minh'alma. meu corpo reprova esta ação da alma. meu corpo reprova e quer desvairar-se pela mente. "logo quem sempre teve mente liberta retê-la é um crime maior do que o que está sendo pelo subconsciente repreendido..." (não cometer é sofrer), maldade veloz corre dentro de um coração que vos digo também ser maldoso, daqueles prontos para morrer e matar na ponta da espada, (os melhores corações são os perfurados), já não batem , dão trabalho, amam... que só bate enquanto tem vida, e sua vida é bater... desistência me reprova. desistir me aficciona ao locurismo, me solta nas raias para que nade do amanhecer ao amanhecer, "não há cadeias nos mares", supostas ilhas e correntes sim, é preço da liberdade pela solidão de viver em paz e sem luz de energia életricas que quando saem de corpos alheios é para te descarregar... o mundo te suga. e as pessoas te matam. mas todos estão unidos há um bem só. sobre'sofrer vivendo de sobrevivência ou riquezas volumusas, (umas soam ricas as vezes só na mente) mas sempre no conjunto do corpo e alma, independente dos valores que se criaram entre as mesmas raças. nenhuma paga a outra o que vale. e ninguem na realidade, que cheire o que feda, não é melhor que ninguém, *"os olhos, por enquanto, são as portas do engano; duvide deles, do seu, não de mim", eu me ajuntei, e assim como os animais não passo meu tempo olhando espelhos, caricatura mental só, fusão de conhecimento, "é preciso um pouco de lerdidão pra se ver a velocidade"...

Palavras as vezes nos assola de cadeias. prende-nos. imagina-se além delas suas realizações. o que é este jogo desencontrado procurando o fim de um limite... se é que pode um dia ter limite sobre as palavras escritas, ferre-se o limite! tudo pode ser descrito, mas experimentado nem sempre; é preciso ter "voiz da'imaginação" para se ter o presente, em meu desfazer se encontra esse viver-experimentado; falar no passado o que o presente nega é dar-lhe ao futuro toda sua forma e pilares, e sem sustentação me evoco a falar, dizer, e repitir poetazinhos de merda; "não precisamos descrever os olhares humanos" mas as reflexões são disparos que tem de serem miradas e dadas nos olhos e coração, é onde talvez se encontre os príncipios mais vacilantes deste tal humano, (até porque as mentes de hoje são mesmo de camarões, de merdas!) "tiro certeiro como bala que já cheira à sangue", o jogo oriental delas e das palavras é só pra compor a orgia... aos adiantes verso diferente a cada vítima.
O enganado jogo mental enlouquece. saiba mais bem sobre disso do que dos loucos. "é imprescindível admirar as vidas, as perípecias, a tosquera, o sublime,  a erudição, "os maiores do qual se dizem serem os grandes" e os menores que se sentem mais pequenos, sem ver o que é impermeável e está minando em sua estrutura me enlouuuquece!!!! porquê a vastidão pode ser curta, e estar mais próxima de sua loucura do que você. tudo é terrestremente sentido (por estes pés) quando não encaramos esses espelhos... mas ainda assim há de ver aqueles que se miram a ver-se diante deles, e se acharem parecidos, ou diferentes demais, (até me conecto com esses que parecem) e porquê existe uns que não se parecem com os demais? e a pirofagia de não ser ne ele mesmo? que não se olha no espelho... seria por estar mais pronto? __ faz-me olhar no espelho? ou por saber nitidamente como é... seus olhos vê mais que a semelhança de outros? diferente de tudo? no pensar. no agir. no mover. __ que desgraça é essa que se fez entre a gente... entre outros nada são. a ninguém pertence. desterro? trevas? sapiência de mortalidade obstante...  (e tudo são a si mesmo). valoridade individual nesse aspecto me confundi as estribeiras que estou tentando ferroar, entreabir, bisbilhotar e comer seu néctar... "meu bem tire tudo... tudinho... e se veja por meus olhos", será a mais bela e comovente visão que teras de ti, (te perderas em minhas peneiras filosóficas, que dispensa toda massa para ter alguns grãos valiosos), venha a este minerador dos escuros, vou marcar entre-lábios cada diamante sujo que tenho guardado sobre estes destinos de que bem sabemos não mais juntar amor e dor, nem que dessa vez preferir-mos ser amante, amor de vento em polpa, que bate nas velas e se apaga com o vento, distanciando-se das proximidades calorosas, aos árticos de nossos tropícos eu te desfiarei, serás uma manga madura pedindo para ser descascada'escaca'cascada, soltando leite pelas entranhas, amarguradamente rosa e amarela de fome se abrigando no gozo que te vence nas mais imprecisas horas de vidas que desconhece a ti, mas no caminhoso de espartame de um lobo apaixonado; só te sacrifíquei por mim. e o bem como a perfeição, não temo mesmo "que as pedras sempre se batem"... como ser que se preste, treino indefinidamente a domar essas onças dismitificadas, em posseção do universo, centradas nas trevas'de'terras'mar, onde o objeto mais usado é aquele que a manuseia.



Senhor, meu pai; __ porquê tantos filhos? porquê tantos irmãos? e porque "mãe só tem uma?" aí senhor, não tende piedade não. faz ruminar sobre essas fontes de rumores o galardão da improbabilidade... assim continua crescendo as atividades científicas. pela improbalbilidade e existência de Deus. bem'dizer a ciência só existe apartir de Deus. dessas criações misteriosas e sobrenaturais  o que tinhamos de exemplo antes era tudo conto de troía, bacanal misterios, bacanal de nascimento, bacanal do conhecimento, não verso à Bocage, só que "a putaria é a existência e o teor que engrandece a experiência de que somos do mundo", sacríficios e mortandades, cadenciação aos deuses mais imperfeitos, aos ritos mais incoparados, era muita coisa contra a vida, contra a super-polação, era para que tudo fosse de um só, ou que esse fosse aterrador de todos, ou que todos enfim julgasse esse, quem é o mentor desse conflito entre o homem e o universo? que lendária invasão é esta que não se aperfeiçôa, se usa, trai e consente... só ela para embelezar este caos e deturpação eminente, contemplemo-as... são muitas putarias, e se me escuso sinto que meus temores já são de outros. como é bom buscar novos medos. novas perdições. saber que os fins realmente tem um começo. desde que ele seja desde o fim o seu mesmo. mas é assim que se acaba com as paródias simplistas e composições uniformes, "alguma criação tem de render", e os primeiros da ninhada podem sim, morrer brevemente. por descuído ou desnatureza. ou... nem todas nascem para ser mãe. umas são puta por assim dizer de natureza. e dedicação apenas a isso é os seus ótimos dias. os dias púrpuros e naturais... dos quais de hoje em diante herdo a missão de ser filho.

Adeus missões. até guerra. chega pessoas; que de longe as posso ver. as posso sentir bem mais que suas presenças talvez... talvez. (sou mágico de mim) a energia é tão positiva ao negativo deste lado que não posso ambientar mais nenhuma áurea, "aqui não se tem risotos e crepes a provar", taças quebradas e poucos talheres, um só lugar, um cinzeiro que se cabe um cigarro, é hora de um ser o todo, porque este um quis ser todo para se ter em um; __ e não funcionou não! foi uma merda, um descontentamento, uma treta de uma pá de zóio que, fiquei só matéria, estou a plantar espíritos para ver quais mudas voltarei a ter como sombra...

Humberto Fonseca