sábado, 18 de junho de 2011

Mastigar Poesia, Praia da Ilusão (Novas Métricas III)

mastigar poesia,
comer o tempo,
suprir'as-supras'renais,
debaixo dos pinheiros...
 
          
         o mundo é lindo,
               o limite é limitado,
                     presente de imitação,
                           é o que dá e o que se faz.
                  
                                                                                                        se o sereno,
                                                                                                        que se fez sem sol,
                                                                                                        tomar o ar,
                                                                                                        vaporiza.
 
 teu mar encantado,
       da barra,
            nas pedras
  poderosas,
         magnéticas,
   donas de silêncio,
  pertencentes do remoto,
  tão calma,
         e sombria,
   era,
   a tua voz surgindo das ondas.

                                                                    [sou cego,
                                                                    quando vejo o celeste].

                                         tua divinez,
                                                      imersiva,
                                                                 transitória,
                                                                              me capta.
                                                                                       ao branco do'luar,
                                                                                                no entardecer de um sonho.

 __ me vinhas assim:

  "Descalça, de vestido, sobre a areia a segurar o colo, (eu tentava olhar pra baixo e não conseguia), tinha um foco de luz, era como uma imagem "olho de peixe", onde só tinha o centro como fonte reveladora das lembranças, e era tu o fundo esplanado, de cor rosada, pele de pitanga, saputí'morena a desaflorar, a correr, a rir, não sei pra quem, não sei pra onde, mas estavas feliz... essa parte que visualizei do seu vestido era linda, em V, bem decotado, com ombros aparecendo, no aperto do tomara-que-cai, mas que não caía'nunca..."

...do qual me fez recordar um poema, que aqui mofava nas escrituras velhas, composições que não mostro, que são poesias muito indiferente a tudo que me pertence por esses espaços porque acredito ser elas a minha condutora na escrita, me refazendo nessas métricas.

 Praia Da Ilusão_ poema de novembro de 2006

Sempre que tenho tempo,
Desligo-me dele.

Durmo acordado,
Levanto deitado,
Ando parado.

Na praia da ilusão,
Um louco lúcido,
Com papel e caneta...

Não vê sol,
Seco-me na chuva,
Não ouço o trovão.

... vejo raios apagados.

O maremoto é uma onda,
Não existe lixo algum,
Com o beijo da...
Volto dessa ilusão.

__ Foi um sonho...?
Preciso dormir de novo.


Humberto Fonseca

Nenhum comentário: