terça-feira, 19 de março de 2013

Poesia - Humberto Fonseca: Saudade ( I )

Foto: Humberto Fonseca



 O poder da tua saudade em meu coração arrepia... 

                            Mente - Corpo - Alma...

                                                                   A difusão começa colocar-me em ti.

                                                          Fluíndo limpeza de meu corpo onde faço tua casa...

                   Morada - Lar - Sossego...


                                   Já sabes o quanto tem de ti em mim?
                                                            Ouvistes as músicas feitas para você?
                                                                                      Somente você minha l'índia?
                                                                                           Quero cantar-te esses versos ao ouvido...

                          "Deixa eu te ver mais de perto,
                           Venha escutar a canção que fiz,
                           Sem letras,
                           Nem dados,
                           Acordes pensados,
                           Nas noites sem dormir".


                Nobre poetisa de meus sentimentos, minha cruz, contigo, é leve.
     
 Não sei o que prometer à mim mesmo, "meu espírito se move em tua direção", Deus, meu pai, dai-me fé. O que procurar nesta terra? _ Se temos tudo as claras, até o que estava oculto? Totalmente quebrantado estou.

 Queria ser mel, mas sou favo.
         Queria ser flôr, mas sou néctar.
                 Queria ser chuva, mas sou gota de orvalho.

 Prefiro o antes, do que o depois.
 Estou por fora, em corpo, sentido e coração.

 Minhas mãos transcreve esses múmurios d'alma, labirinto de ações.

 Em termos, sou escuso.
        Em apego, o desapego.
           
 Assim faço do neologismo a poesia.

 Escancaro meu ser, sem repensá-lo, pouso nos ares; "da inocência", ganhando inexperiência, aprendendo a esperar, (como a fé que move montanhas), deflagro sentimentos, voz, pequenas ambiçoes que satisfaz meu interior, sem atropelar ser algum, enlouqueci'damente por meu querer, em busca do meu amor.


Humberto Fonseca


 

Nenhum comentário: