domingo, 8 de novembro de 2015

Redimensão Das Métricas - III - Interior'Face - Poesia: Humberto Fonseca

 
Redimensão Das Métricas - III
 Interior'Face


 
Somos moldados,
Modulares,
Instâncias do impermeável,
Maleáveis do não querer suportar.

 
Nem sempre os sábios,
                                       São os mais inteligentes.
 
 
Sabedoria é um exercício d'alma, do tempo, sentindo o sentido, exaurido de uma guerra interior por não querer, não suportar, cultivando os hábitos de não fazer o mal.
 
O que nem sempre podemos dizer da inteligência.
 
O sábio faz do exercício uma função.
O inteligente uma equação, divisão, subtração, multiplicação, confundindo os valores com os favores de perdão.


A escravidão dos sentidos continuam sendo, a continuação deles.

                     O tempo necessita, requer,
                                         Cobra direito
                                             No escalômetro do destino.

Interiores, museológicos, longínquos,
Na temática quântica,
Sombreando as dores,
Que as notícias não desejam.

As dores escondidas,
No interior,
Escoram a face.
                                                         Por uma resposta,
                                            Mesmo que seja,
                       Sem conformidade.
"São os ângulos da terra, com a tortura de meus olhares".
A face hora com,
Hora sem,
Enruga os dizeres.                 
                              Tácitas, táticas,
                                         Ataques, atrozes,
                                                     Gritam, gorjeiam.


Se queres ver ousadia,
Saiba a letra da poesia,
Malfadada em arrabalde,
Polarizada sem luz,
Onde não existe mistério,
Combatendo a mentira...
Sem dar letra nenhuma...
Trovejaremos no sol?
Quantos papocos nestes soslaios?
Novas atitudes serão velhas artimanhas?
Estaríamos presos em nossos próprios círculos?
 

Quem gera soluções,
                  Trás consigo problemas,
                                         Biomas sensíveis,
                                                        Brutezas intelectuais.

O mundo real não fora feito para divindades,
O matrimônio desarmonioso,
É teatro de uma vida confusa.

          Matriz'cidade angulada,
                  Esquadro simbiótico,
                       Rompendo transmissores,  
                            De componentes, estudos,
                                   Na ética do compasso,
                                         Em mentes que não mentem,
                                         Eis a face...

                              Sem truste de meu exterior, interior.




Humberto Fonsêca


 

Nenhum comentário: