quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Redimensão das Métricas - IV - Definições Raro'Antigas - Poesia: Humberto Fonsêca - Arte: Rica de Lucca


Artista: Rica de Lucca
 
 
 
Redimensão das Métricas - IV
"Definições - Raro'Antigas"
 
 O tempo, é o eixo central,
     Desmedido, na linha imaginária,
         Em rotação dos pensamentos.

A potência de nossos seres sem movimentos,

        Eclodem a sustância verbal,
        Das nossas artes, nossas cores.
Das nossas paisagens, das nossa semelhanças, das nossas introspecções.
Em termos simétricos, quantitativos,
abreviado de explosões,
Em simulacros de atitudes.
A variante variável,
Delitos evoluídos esvaecidos  no silêncio,
Desmoronando catástrofes.
                                  Metamorfose dos sem tons, sem cores, sem luzes,
                                   Estopim dos calados, silenciosos, calmos,
                                  Afastados da verdade, veracidade, tons e propriedades,
                                   De um nada intelectual, de um mal habitual.
Salpicando as palavras, novamente retomo o ápice,
Construtivo nas sólidas fases de meu universo,
Incisivo incrustado nas montanhas de versos...
                                       A situação sem veredicto,
                                       Conformo as ações, infrações,
                                       Inebrio os poemas moforlogicos,
                                       Sobre os mitos esquecidos.
Os artistas compõem sentimentos,
Desmente momentos,
Criam abismos de sentimentos nos portões da vida.
Nossas armas atingem,
Sem derrubar, sem magoar, sem exaurir,
Ódios, paixões, soberbas, imposições,
Questões pessoais e sociais,
Queiram sim, queiram não,
Pela simples observação.

"Está métrica tomou outro curso, fluxo, torrentes, uma direção de matérias percorrendo aos estudos".

 As glórias foram feitas de tapetes,
      Pisamos em nosso passado,
           Percorrendo sem medo,
                 O futuro do anti'futuro,
                        Sobre este pós'presente imerso.

Nestas retas'verticais,
Os escalenos de efeitos,
As semirretas anguladas,
Da qual desistir é não resistir,
Nos conceitos sem graus,
Cores quentes, palavras frias,
Palavras frias, cores quentes,
Traços uniformes desinformados,
Onde o silêncio se torna passado,
Publicando segredos inconstantes, insondáveis,
Neste muito nada importante para acontecer,
Do qual não podemos decifrar.

                        Poesia contra a mentira,
Pintura contra a hipocrisia,
                        Poesia contra a corrupção,
Pintura contra a falta de paixão,
                        Poesia contra a falsa indignação,
Pintura contra a falta de sensibilidade,
                        Poesia contra os repúdios,
Pintura contra a insatisfação,
                        Poesia contra a moralização,
Pintura contra a falta de
                        Poesia contra os assassinatos,
Pintura contra a falta de vida,
                        Poesia como a expressão,
Pintura contra a falta de satisfação. 

Assim ser o meu olhar,
           Quase poético, quase pintor,
                    Sem meias verdades, sem mentira nenhuma,
                              Em minhas próprias semelhanças,
                                       Desbravando os alhures,
                                                Nas águas calmas,
                                                         Metrópoles conturbadas,
                                                         Nordestes sangrentos,
                                                         Campos solitários,
                                                         Praias de abandonos,
                                                Da perseverança,
                                       Do esquecimento,
                              Nas artes trançadas,
                     Dos conhecidos sentimentos,
              Nestas brumas de meu coração,
Apto sem entender,
Tudo que os seres mais huimanos,
Relutam a todo momento,
Não querer sentir.


Humberto Fonseca


Dedicado ao artista: Rica de Lucca, grande camarada de guerras artísticas sem ferir ninguém, nem suas dignidades, tampouco a falta de sensibilidade que tanto conversamos nos breves e poucos encontros que tivemos nesta passagem de vida.
                              
                                        


                                   

Nenhum comentário: