terça-feira, 17 de novembro de 2015

Redimensão Das Métricas - V - Sobre Silêncios Instantâneos - Poesia: Humberto Fonsêca



 
 
Re'Dimensão Das Métricas - V
 
Sobre Silêncios Instantâneos




A paciência é astuta,
      Dobrada em silêncio,
           Doutrinada de guerras,
                 Especializada em amor.
                            Deliberada,
                            Maquiavélica,
                            Imperativa,
                            Soberana,
                            Ponderada,
                            Naturalmente,
 Se viu no meio das amplitudes,
       Entre os serenos dos cerrados,
              Nos cerrados espraiados,
                     Em coqueirais explanados,
                             De terrenos cortados,
                                   Na pura impaciência.
    
          Proteger os mistérios é a felicidade,
                 Sem choro nem lágrima,
                        Em alegrias de estadias passadas,
                                Nos cantos onde amor é amizade.

            Poesia malevolente,
De incrível saúde,
Meu coração arde,
           Sobre as mudas faces,
De meus teores argutos,
Nos ângulos dos desânimos,
           Reflexivo, irrefletido,
Poeticado, poe'praticante.
                   Solto, no solo andante, passeando,
                       Nas ruas, nos montes, nas ilhas,
                            Em dias de qualquer mistério,
                                Em dias de qualquer silêncio.

                 Longe das batalhas,
                 Bem longe das falsas guerras,
                 Distante dos fatídicos casos,
                 Recluso dos seres'perfis...

                                                      Nestas brigas de sentidos,
                                         Nestes abandonos do eu mesmo,
                               Nestas causas sem soluções,
                    Nestes acontecimentos,
         Nestas possíveis doenças...

Diagnósticos de falsas dores, diagnósticos de falsos rumores, diagnósticos de falsos amores, diagnósticos de falsos professores, diagnósticos de falsos diagnósticos...

        As alegrias que se tornaram dores,
                   Despejam seu fim nos temporais,
                           Para ressurgir nas terras,
                                    Próximo dos bons e dos maus,
                                              Dos experts e normais,
                                                      Para sentir a sabedoria,
                                                              Que fora extraída da dor.

Impaciência intolerante,
Dignificais o homem,
Nas lacunas de sua sabedora,
Nas aberrações de sua burrice,
Nas intervenções de sua naturalidade,
Inconfidente, guerreiro, desbravador,
Pacificador, instrutor, tradutor,
Lutador, amante, instintivo,
Encontra-se achado e perdido,
Abalado, erguido,
Semi'derrotado, vencedor aguerrido,
Sem desvirtuar uma vírgula de seu caminho.

A poesia conhece seus talentos,
O poeta todos seus instrumentos,
As ilusões seus requerimentos,
As verdades seus mandamentos,
As inverdades todos questionamentos,
As possibilidades os inventos,
As calúnias os gritos distintos,
A coragem os instintos...
 
Em todos os movimentos, séculos, décadas, dias,
Horas, minutos, segundos,
Sobre estes relógios tivemos momentos,
De inverter o sentido clock dos lock,
Formandos os conjugais mandamentos,

Nas abreviadas aventuras,
Em mais de cem guerra e cem luas,
Todas minhas, todas suas,
Sem questionar quando vencer,
Sem questionar quando ganhar,
Entalando, isolando, enxotando os inimigos,
Sobre silêncios instantâneos.



Humberto Fonsêca



                                   

Nenhum comentário: