domingo, 21 de fevereiro de 2016

(Série-Riscos) - Luz Não Requer Teoria - Humberto Fonsêca





(Série-Riscos) - Luz Não Requer Teoria


O dizer é um efeito moral sem resposta. é uma preposição do aceitar. conduzir o dizer é conduzir-se ao juízo final da palavra. "nenhum efeito moral dita as regras", dita as coisas que supondo que sejam, essas mesmas podem não ser. (o poeta de mão cheia às vezes é de espirito vazio). Esse "(Su)jeito", preso ao labirinto, aproximados da dimensão oportuna, condecoram o vazio e fazem de si o esplendor, quem há de fazer-nos perder os caminhos dentro do labirinto? Nossas vontades concordam onde a recordação naturaliza-se.

 Embriagado vos tomo a palavra,
 A posse à foice,
 Avermelha-se Brasília,
 Ao pó de teus pés,
 Ao chão de teus pós.

 Eis que graduação nenhuma me tira dessa linha do equador.

 O que fatiga em repulsa... é excluso da luz, antecessor da negritude, e viril ao acaso do coração empobrecido... como é bom falar de abóboras, carambolas e pokans! A seriedade é meio termo. e onde há lama, o dever é nela se enfiar. De todo este sulco vitaminado que nos escorre pelo olhar, na indecisão dos sonhos que acontecem fazendo-nos acordar...

 Hoje presencio os motores renais que me freiam ao rolar das águas, sem talvez precisar de mim remeto-me ao passo alegre, (por mais triste que podem ser um dia), vai andante, anda'já'alegre no passar bem das vontades.. até porque saída nenhuma é importante, derrepente este labirinto pode ser teu lar, mistério de passos a eternizarem seus domínios imprecisos até onde deve ir...

 Eu realmente não sei que escrever... luz não requer teoria... luz não requer teoria... Meu ver, sobre tudo depois de tudo que tem vistos, quantas ninfas perversas, encorajadas de um rubor vigorante, de força tântrica, pimenta doce que acompanha a carne ao sol...

O bailaço do dia elimina a linha reta,
Eis o tênue cintilante,
Sem pontas'entrelinhas...

 As vezes as falas que vazam pela vala torna a célere batalha em medieval momento.

Humberto Fonseca

Nenhum comentário: