Humberto Fonsêca

segunda-feira, 20 de março de 2017

Prosa Poética: Humberto Fonsêca & Karina Meireles

Empatia - Um Abismo Entre o Bem e o Mal

A solidão é um pedaço de mistério tão eloquente, que nós não podemos mais reter nossos sentimentos, se formos imaginar o quanto nós ainda podemos deter o sentimento que nos leva a todo mundo esquecimento...

Quando nos entregamos a tudo aquilo que nos consome, quando valorizamos nossa mágoa, nosso rancor, nosso ódio, nossas lembranças e expectativas que falharam, ou por algum efeito na vida não foi como imaginávamos, acabamos por, nos colocar em uma posição da qual somos o próprio alvo do nosso conhecimento, e se conhecemos todas nossas virtudes e falhas, podemos entender que, erramos em alguns caminhos ou acertamos em algumas escolhas. É impossível que estejamos sempre condizentes com a realidade do outro, estar e se colocar na visão de outra pessoa, essa capacidade de empatia da qual devemos estudar pra ter, da qual daqui uns dias vai ter uma faculdade só pra empatia.

 "O ego não deve ir a guerra, um campo de batalha não é espaço para ressentimentos".  Sun Tzu

Então, para se colocar realmente no lugar do próximo, e tentar entender as virtudes, as falhas, as dores, os caminhos, ou até mesmo as alegrias e frustrações, é uma condição, da qual eu posso citar, que o nosso conhecimento ainda é muito pequeno, que a nossa atitude perante isso  ainda é, digamos vil.

"Assim como de maneira individual, as pessoas quando estão em grupo possuem padrões próprios para funcionar e agem de forma diferente do que quando estão sós. O grupo não é a simples soma de indivíduos e comportamentos, ele assume configuração própria que influência nas ações e nos sentimentos de cada um proporcionando, sinergia, coesão, cooperação e coordenação, simpatia, carinho, harmonia, satisfação e alegria, ou mesmo, antipatia, tensão, hostilidade, insatisfação e tristeza. O mais curioso é que, mesmo o ser humano não conhecendo profundamente as pessoas, possuí noções empíricas, (experiências práticas), sobre as reações dos outros, já desenvolveu certa habilidade para lidar com as formas previsíveis de atuação de diferentes pessoas. Entretanto isto não impede que haja distorções no relacionamento interpessoal e interpretações errôneas sobre as pessoas e seus comportamentos em grupo".
Anderson Alberto Canfild

 Vil pelo estado de que, não estamos na capacidade de integridade total de se colocar no lugar de outra pessoa, podemos sentir ou relacionar os fatos, ou até supor o que uma pessoa passou, mas poderemos mesmo nos colocar nessa tal capacidade de empatia da qual tantos figuram e fazem um comercio de sentimentos inexistentes, e uma capacidade abstrata, que eu diria uma palavra errada e que eu ainda não vi citada:

A verdadeira empatia ela é "Invivida", invivida porquê? Porque estamos fora da vida do próximo, estamos no estado de in-out, estamos hora na borda, hora recebendo a mensagem.  Nunca poderemos estar de fato no lugar do outro, na posição do outro, na visão do outro, nunca poderemos ser realmente e sentir verdadeiramente o que é do outro.

 "A competência interpessoal, porém, só é reconhecida para algumas categorias profissionais notórias, tais como assistência social, psicoterapia, magistério, vendas, serviços de atendimento público em geral. Cada tipo ou dimensão, de competência é interdependente de outra, tendo ou não estabelecido um clima psicológico favorável e uma relação de confiança que pode influenciar as informações que recebe, a competência interpessoal é tão importante quanto a competência técnica".
Anderson Alberto Canfild

 Quem não lembra daquelas histórias do tipo; cada um sabe onde o sapato aperta, onde o calo dói... Esses ditadinhos que a grande maioria de nossa população concede o sentimento como se fosse verdade.

Não teremos mesmo esse estágio absoluto de viver no lugar do outro e de se colocar diante dele. Nunca seremos um pedaço, uma lacuna nossa. Para se colocar no lugar do outro, a gente vai ter que viver num estágio invivido, porque seremos invívidos, seremos vivos e ao mesmo tempo estaríamos em um estado off-line, porque é substancial essa história que seremos realmente o lado sentimental do próximo. Nós queremos impressionar em tudo, dificilmente nós queremos sentir algo que não seja nosso, algo que não seja bom, algo que não seja próprio, podemos até pensar em alguma experiência, como viagens, como prazeres, mas é uma coisa muito fútil ainda este estágio de empatia.

"O poder é localizável, tece tramas, cria relações, produz saberes, permite e provoca a individualização"
 Inês Lacerda Araújo

Empatia, esse tema tem me deixado confuso, a capacidade da empatia, parece ser um termo gradativo e ao mesmo tempo degradante, porque se dizem que o empata, é aquela pessoa que tem a possibilidade, capacidade, espiritualidade, digamos um carma capaz de se propor a viver, a sentir, a integrar ou modificar o que o próximo está passando, nos colocamos então numa posição um tanto um quanto conflitante, principalmente para quem viveu nas quebradas e em lugares com uma vida um pouco mais hóstil, porque a gente acaba conhecendo aquela galera que é o famoso empata foda... Não o empata intelectual, de poder absoluto, algo supremo.

 "É impossível conhecer tudo sobre os indivíduos de um grupo, entretanto se forem compreendidos e percebidos como pessoas, quais seus motivos básicos e conhecidos os pontos em que querem ser satisfeitos, pode-se mais facilmente caracterizá-los como individualidades".
Anderson Alberto Canfild

Parece que as pessoas empatas atingiram um nível da vida tão elevado e belo espiritualmente que eles se propõem a modificar, se propõem a influir, se propõem a codificar os sentimentos? É como se fosse uma pessoa capaz de ao mesmo tempo codificar e descodificar e aliviar o seu espírito e sua alma? Será que logo menos teremos uma igreja de empatia? Tabernáculo dos Empáticos? Ou seria Congregação Empatia do Sossego? Parece que anda todo mundo tão obstruído para espiritualizar o seu conhecimento, e assim poder expandir as reações que a vida nos coloca diante todos os dias?

"O quanto nossa percepção pode ser profundamente condicionada. Se poucos minutos ou horas podem ter tal impacto, em nossa maneira de ver as coisas, o que dizer dos condicionamentos que duram a vida inteira, sendo a nossa fonte de atitudes e comportamentos"
Schutz

Eu fico imaginando qual seria a nossa relação entre o que passamos e essa tal empatia, porque os seres humanos são tão complexos, confusos e indiferentes. Deus nos criou completamente diferentes um do outro. Se não foi Deus, a própria explosão do Big Bang mostra que a partir de uma molécula e dessa sopa primordial, o ser humano vem gradativamente sendo modificado. Desde uma breve molécula, até as suas evoluções que ainda não podemos conhecer o nível.  Mas é um pouco instigante esse abismo que se cria, porque uma mídia conceitual e focada nos seus estados psicológicos mentais acaba criando um conceito de empatia para as pessoas que estão digamos, em algum momento da vida em que não estão se encontrando, como uma solução capaz de melhorar os seus momentos, eu acredito que tudo que é bom para o ser humano realmente tem uma verdadeira função para melhorar os nossos questionamentos e as nossas contradições, ou traumas que estamos vivendo.

 Psicologicamente, esse termo empatia, vem como uma desculpa eu acho, uma desculpa pra buscar em outra pessoa aquilo que não estamos conseguindo  resolver em nós mesmos.  E se formos usar o conceito de empata, empatia, como é que a gente pode se colocar na vida de uma pessoa que está passando um drama realmente sofrido, violento, um drama de complicações pelos próprios erros, porque é sabido dos tempos que  a gente pode ajudar qualquer ser humano, nos podemos instruir, dialogar, conversar.  Este é o conceito de empatia? Seria a gente ajudar, participar, inovar, dar a uma pessoa uma retribuição do nosso amor? Do nosso carinho? Da nossa amizade? saber ouvir? É simplesmente isso? Ou seria essa busca perfeita para se colocar no lugar do outro? Isso seria o que? Espiritualismo, religião? A empatia acaba me deixando um pouco perplexo.

"Sensibilidade são recursos importantes que dispomos para captar o que acontece a nossa volta, mas que tendem a ser sub-utilizados seja por terem sido tradicionalmente desencorajados pelos processos educacionais a que fomos submetidos, seja porquê escapam à metodologia cartesiana do Penso, logo existo. Permitindo assim prever resultados mais prováveis e estabelecer estratégias para tornar a troca de estímulos e respostas mais eficazes, produtivas e gratificantes, diagnosticar jogos psicológicos em qualquer de uma de suas etapas em evitar relacionamentos tóxicos que tanto mal e tanto ressentimento provocam entre as pessoas".
Rosa R. Krausz

Porque se a ciência vem estudando, e as religiões que nos colocaram esses temas desde os tempos longínquos, ou até mesmo por conceitos acadêmicos ou dogmáticos que vem nos impondo; de que a gente tem um corpo, e o nosso corpo tem um espírito, digamos: tudo que a gente sofre seria causado pelo nosso corpo, e digamos que a empatia seria nosso espírito, essa capacidade de se colocar no lugar do outro.

Agora imagine que um espírito problemático possa se colocar no corpo de uma pessoa com um espírito bom, e uma pessoa com um espírito bom possa colocar em um corpo doente, qual seria o conceito de empatia? Isso mudaria alguma coisa? Isso teria alguma resolução de resolver problemas?  Ou seria como no caso de Freud  que usava a psicanálise com o conceito de hipnose, do qual seus pacientes passavam bem e logo após reconstituíam os mesmo traumas, essa coisa dialética, metafísica, que nos torna meio que conversador de um problema sem solução.

 "A probabilidade de fracassarmos na luta não nos deve deter o impulso de combater por uma coisa justa"
Lincoln

Eu acredito que a psicologia é uma maneira forte e atuante, a partir do momento que as pessoas procuram ajuda de pessoas especializadas. Nós não podemos entregar nossos problemas, nossos sonhos, nossas virtudes, ou até mesmo nossas derrotas, a pessoas que de repente não tem nem um conceito de empata, ao invés de empatia, eu diria um conceito mais profissional na área da psicologia. Porque, o próprio empata, ou essa função de empatia, é uma área totalmente psicológica, é uma área mental, porque se você tem uma dor em um lugar, um problema no corpo, ou algo do tipo, você vai procurar um médico, vai tentar acabar com aquela dor, vai tentar acabar com aquela doença, você vai fazer um diagnóstico.

"O cenário contemporâneo, com suas profundas e vertiginosas mudanças, constituí um momento da história da humanidade a um tempo fascinante desafiador. As inovações nos atropelam, invadem nossas vidas, questionam nossos valores, testam nossa autoestima, desafiam nossa capacidade de conviver com a ambiguidade, a instabilidade e a imprevisibilidade dos acontecimentos. Os modismos, cada vez mais efêmeros, não se aplicam apenas as coisas materiais, mas também ao imaterial como ideologias, crenças, comportamentos, filosofias de vida, atividades profissionais que surgem e desaparecem para dar espaço a sucedâneos".
Rosa R. Krausz

Agora, se você tem algo que relativamente está doendo na sua mente, no seu espírito, na sua consciência, você tem que buscar primeiramente resolver os problemas com a pessoa  da qual você criou esse problema, ou da qual te entristeceu, ou se isso te afeta muito, seja lá qual for o problema pessoal ou a área mental, deveria buscar uma ajuda psicológica, de uma pessoa que possa te ouvir, que possa te instruir, que consiga criar um tratamento, para que todas essas causas estejam conciliadas e que ali você possa ter uma instrução do que está te fazendo mal, primeiro de tudo o ser humano tem que estar aberto a falar dos seus problemas, a falar das suas dores, a falar das suas indignações, expurgar os conflitos já é uma busca pela situação, e quando você conegue dividir isso com alguém que tem  capacidade para te instruir e lutar contra isso, é bem provável que você encontre soluções adversas.


A nossa vida não deve ser tomada por conceitos fajutos de pessoas que se dizem amar ao próximo, algumas vezes a gente precisa de um pouco mais de determinação, confiança, afeto, amar de verdade, enfim lutar por aquilo que a gente não teve a capacidade de realizar.

"O historiador trabalha para seu tempo, e não para a eternidade". Eduardo D'Oliveira

Nenhum ser humano tem a probabilidade de ser um ente perfeito na sociedade, mas todos seres humanos tem a capacidade de adaptação e de avaliar os seus conceitos, e realmente mudar toda e situação da qual ele criou, o passado, presente e futuro é condizente ao homem.

O homem é a espécie que domina todas estruturas, arquiteturas, estudos, problemas e soluções, e principalmente todas as questões relacionadas para a nossa permanência de vida na terra. Eu me sinto um pouco agredido quando eu tento me colocar na vida do próximo, primeiro; os profissionais não pensam dessa maneira, segundo; todo e qualquer relacionamento tem seus altos e baixos, seus pontos concretos e indefinidos, seus momentos de amor e de brigas, os entraves pelo conhecimento, as escolhas pessoais.

Quando buscamos a empatia temos que saber dividir as opiniões e realizações para questionar os valores que ainda temos e queremos resgatar, quando tentamos s se colocar no problema do próximo nós buscamos primeiramente nossos conhecimentos de nossa memória, nossa vivência pessoal, ou partiremos para o tradicional e famoso conselho.

Acabamos por agredir a nós mesmos, a nossa força interior é uma zona de dispersão, ao mesmo tempo que ela consegue potencialidade, ela pode ser enfraquecida, não podemos mais parar de lutar, não podemos mais parar de buscar o nosso consenso de realização, e não podemos mais acreditar que soluções tolas e conversas que se impõem sejam vistas como soluções.

"A saúde mental, é o melhor antídoto do ser humano".

Humberto Fonsêca



Karina Meireles
http://karina-meireles.blogspot.com.br

Uno

Para além do bem e do mal,
há razão e sentimento,
em nosso meio em nossa mente.
Para além do consciente
senso comum

Há abstração do fato dado
fracasso, sucesso ou ilusão
requer sentimento,
razão e empatia.
Sair por vezes do meu “mundo”
e compreender do “mundo” dos outros.

É ter paciência,
ciência e pensamento
o que sinto
o que faço
o que penso
a razão
e paixões desenfreadas.

Em cada passo dado
um estalo
um sopro
e um mar de pensamento.

A moça nem nota
mas o por do sol a nota
seu belo olhar
um magnífico tocar
acalma multidão.

Sabe aquele dito popular?
supere
destrua
reconstrua
cultura!

A verdade para além do senso
comum a todos
como uma básica necessidade a todos,
deve ser questionada...

Ao ser
um ser em construção
entre relações e ações
a outro além de mim

o fato dado
não findado
requer uma pitada de vontade
com porções de empatia.

km




Nenhum comentário: