Humberto Fonsêca

domingo, 2 de dezembro de 2012

A Manhã Antes Da Neblina...

 Zuniu, apahou-se o achado. era tão bonita por trás das montanhas que desceu ao asfalto. leve, maciça, cinzenta, de teperatura baixa, com cheiro e sentido de morte por quem ali pairava... meus olhos se perdiam por suas cortinas, queria dar-lhe a mão e sair em passeio, sinto-me encorpado, ancorado, sobre a imagem de José, vendido ao Égito, entregue de servo...

Humberto Fonseca
 

Nenhum comentário: