sábado, 7 de março de 2015

Um Balde de Poesia III - Clássica Cáotica da Neutralidade - Poesia: Humberto Fonseca



"Se tu descreveres escritamente as ecritas-críticas,
TuRbiLhAriA-ArTiLhAriA para um golpe de estado..."
Não deste país.

Sabe-se lá o que vivemos?

Você testa...
O boi sabe onde arromba a cerca! Quebra o chifre,
Caí de bunda e senta...


Só assim não fico distante dos afazeres...
                                                                                                         __ te empuro?                 suba no balde?
Prazer-deter-reter-conter-oqê?                              suba... suba...
                                                               __ enforco-te?              __ apertou o pescoço?                    suba no balde?
                                                                                                                                                                                                       
suba... suba... suba...
                                   __ suba no balde?
mas se falou... ... vamos brincar de forca? a platéia aguarda... os engasgos, de teus goles...                                                               suba... suba...suba...
mas se falou... ... vamos brincar de forca? agora prestes, ao fim... eles querem.                   suba...

                                                               __ suba no balde? 
                                                                                                           __ ispíe ? _                  pise em seu fundo? suba no balde?

                                                                                     __apoie sua mão na corda... suba no balde?

estar fora do ar,
Em antena-desnecta, conect-valorinus,
Desvído   de     vista.

Se for morrer, que esteja nas minhas... Ainda terei respeito!  As famílias serão os primeiros a saber; farei memorandos, cartas, telegramas...            
                      Quem for podre que se quebre...              
           Quiz-quais-qualqueres?                                
Repitiste as séries...                                         
           Se foi pelo tempo,                               
                         Ou por maul sustento,
                                                                                         Mau com L ou mal com U.
           Vê quantos mudaram de sala?
                         Você mudou só de carteira...

 
"a cidade...                            "os olhares, "                                       os assuntos,                               toda fera,
que invade,          toques,       por tuas obras,                pulos,           rege os regentes...    tudo,            sendo foragida,
toma-te conta,    batuques,     compro e comparo...    batedeiras,      a língua solta,         balanço,         tem que se defender,
sem conta,           rituetas,      em cada virada...           escoram o...   colorida,             cambalhotas,     achar o que comer,
com honra,       símboltudez.   a mesa tomba,            samba-níquel!    enfatiza!                                     lembrar dos filhos...
sem possuí-lo."                       fui assustado."                                    a meia da vida."                             e chorar."

__ O groove espalha autonomia de novos textos, onde criar é arrematar períodos de supervivência.
Os opostos se atraem, ou o tesão vem ao acaso?


Um comentário:

Márcia Antonia Guedes Molina disse...

Adorei o texto ocupando desformemente o espaço em branco... essa conversa entre o ocupado e o vazio é brilhante.